Portal Zap - Ninha, em entrevista, fala sobre possível volta à Timbalada


Ninha, em entrevista, fala sobre possível volta à Timbalada
Vem ver:
publicada em 07/09/2018

Não tem como negar que, mesmo após 12 anos, muita gente ainda sonha com a volta de Ninha para o comando da Timbalada. O dono do bordão “Zorra” marcou época e o desejo do seu retorno só aumenta com as insatisfações provocadas pelas últimas formações da banda de Carlinhos Brown, que contou com Millane Hora e Denny e atualmente é liderada por Buja Ferreira, Paula Sanffer e Rafa Chagas. Contudo, ao que tudo indica, tal desejo não será atendido. Em entrevista ao Bahia Notícias, Ninha segue reafirmando que não visa integrar novamente o conjunto em que permaneceu por 15 anos e que seu foco está no projeto Trem de Pouso, com Patrícia e Xexéu, além do Axé 90 Graus, que comanda ao lado de Reinaldinho e Tatau.

“A partir do momento que trabalha numa empresa, presta serviço e se desliga, um retorno, no meu caso, é muito complicado, pois a valorização deveria existir no momento em que estava, já que eu me dediquei de corpo e alma. O respeito e consideração devem acontecer no momento em que você se encontra... depois que sai e pedem para voltar como bonzinho para modificar a história, pra mim, aquilo não será mais como antes”, explicou. Ninha lembra que dedicou parte da sua vida ao projeto Timbalada e que Carlinhos Brown é um grande amigo e compadre, mas ressaltou: “Com o tempo, percebemos (Ninha, Patrícia e Xexéu) que nunca pensamos nesse projeto como profissionais. Sempre fomos amadores envolvidos no meio de alguma coisa que estava dando certo. Nunca fui valorizado como profissional, como ser humano. Nunca tivemos o respeito que todo artista deve ter”, lamentou.

Por conta dessa mágoa, ele entende que não tem sentido voltar como “salvador da pátria” já que a banda não está em um bom momento. “Acho que para um artista que se preza, que se respeita, não seria muito bom, pois o mercado é grande. Quem quer ver a gente, tem outras possibilidades, já que não fomos valorizados enquanto estávamos lá”, fixou. Quanto à nova formação da banda, Ninha admite que acompanha apenas pela mídia. “Acredito nessa nova geração com Rafa, Buja e Paula. Nunca tive oportunidade de curtir um show. Estão desacertando como qualquer outro artista que entra para substituir. É complicado que queiram que eles se mostrem em 24h”, defendeu. Em seguida, fez uma analogia: “É como Neymar ser contratado hoje para jogar no Bahia ou Vitória - na situação que os times se encontram. Por melhor que seja, vai ter que trabalhar muito para tentar fazer o que fazia lá fora. A Timbalada não é diferente. Foram anos de trabalhos e a partir daí que as pessoas conseguiram depositar sua confiança em mim. É complicado pra eles, mas não é difícil. É só a população dar tempo para eles, pois têm muitas possibilidades”. 

Bahia Notícias
TAGS: ninha, timbalada